Image Map

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Crítica #03: Eleanor & Park, por Rainbow Rowell



Há muito tempo eu não entro no blog, por conta da falta de tempo e ânimo. Porém não quero abandonar essa parte tão legal da minha vida. Para recompensar o tempo perdido, prometi postar a resenha de um livro que amei ler e devorei quando tive a oportunidade. Ele é: Eleanor & Park, da autora Rainbow Rowell.



Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grandes” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.
Eu li Eleanor & Park há bastante tempo, mas o sentimento que ele me causou nunca fora esquecido. Lembro-me muito bem de como amores a primeira vista me irritavam (e continuam irritando), pois sempre acreditei que não se pode amar uma pessoa apenas olhando para ela. E o livro casou com meus sentimentos, pois os personagens não se encantam na hora. A paixão é gradativa, como acontece na vida real. E foi isso que mais me agradou no livro: a realidade contida nas palavras da autora.
Com um padrasto abusivo, uma mãe completamente dominada por ele e os colegas importunando-a, Eleanor não poderia deixar de ser um total exemplo de garota para mim, mesmo com sua insegurança. Ela é o tipo de personagem que é forte e nem percebemos. E o que dizer sobre Park? Lembro-me de como me encantei com essa personagem e a coragem que teve ao tomar uma atitude, que pode até ter parecido pequena para alguns, mas que eu realmente AMEI no livro (huhuhuhu). Só amores por ele. E o casal, mesmo adolescente, é muito maduro, pois vemos que há neles um entrega, não é apenas um amor juvenil. Independente do que poderia ocorrer ali, as personagens levariam aquilo com elas para sempre.
“- Porque não importa para mim, Park. Se você gostar de mim – ela disse -, eu juro por Deus, nada mais importa.” – pág. 139
Por fim, o tão comentado final do livro. Para mim, não poderia ter sido melhor, pois foi inesperado e nada convencional. Esqueça tudo que você já leu sobre ele, os comentários negativos e positivos, e deixe a leitura te levar.
Enfim, o livro foi uma leitura agradável, que me proporcionou muitos sorrisos e lágrimas. Não é um romance conveniente, mas pode ter certeza que você também vai se encantar. Como descrito na contracapa do livro, a história é “um retrato sincero e emocionante de um amor imperfeito, mas inesquecível”. Com certeza, levarei para a vida. Cinco estrelas.
Quem já leu, o que achou?
Beijos, Bruna.

3 Comments:

Letícia Monalisa said...

Estou muito ansiosa para ler livros da Rainbow Rowell! Mas fico na dúvido sobre esse porque pelo que vi é um pouco triste e fiquei com "medo" de encarar as angústias dos personagens. Eu sei que é meio estranho isso, mas ok. Mesmo assim ainda quero ler, esperando só dinheiro para isso haha.

Gostei da sua resenha! Bem sincera! E adorei conhecer o seu blog.

Beijos!

arcoirisduplo.wordpress.com

Anne Caroline said...

Oi, Bruna.
Tem tempos que eu estou louca por esse livro, mas sempre acabo comprando outros. Amei a sua resenha e só fiquei com mais vontade de ler.
Beijos.
sonhardevaneios.blogspot.com.br

Arthur Souza said...

oi Nieta!

nunca li nada da Raibow por falta de oportunidade! Sou louco pra ler ligações e eleanor & Park, me chamam muito atenção!

Arthur- literandototal.blogspot.com.br

Postar um comentário